Radiohead no Rio – a piada do ano

Bitsmag

radiohead-thomyork.jpg

Radiohead no Rio: Banda desavisada vai se apresentar no pior lugar da cidade e no pior dia e horário

radiohead-thomyork.jpg

Promete ser um dos piores micos do ano o show de Radiohead no Rio de Janeiro. Como se não bastasse a escalação esdrúxula do tal Just a Fest, um festival criado “just”amente para trazer o Radiohead, o show no Rio vai acontecer na pior data possível, uma noite de sexta feira, quando o trânsito dá nó em qualquer lugar da cidade em qualquer horário. Evidentemente o horário do festival é, ainda, o pior possível, com início às 17 horas, o horário do rush no centro da cidade.

A Praça da Apoteose tem a pior acústica que se pode esperar de um espaço para shows, afinal não é um espaço para shows e sim a dispersão dos desfiles de escola de samba, quando elas não precisam mais se preocupar com nota dos jurados. O concreto piora ainda mais a falta de acústica. No que diz respeito aos ingressos vendidos, se pode escolher entre ficar na pista ou nas arquibancadas. O único lugar onde é possível ver alguma coisa é na arquibancada, perto do palco, mas quem quiser ficar nesse lugar vai ter de chegar muito cedo, tipo dois dias mais cedo.

Na tal pista o que se vê são enormes pilastras que obstruem totalmente a visão do show e somente quem consegue ficar muito na frente do palco é que pode ter uma visão decente, ouvindo mal, evidentemente.

É triste que a esperadíssima banda Radiohead venha tocar no Rio pela primeira vez no pior lugar possível, principalmente quando se tem espaços ótimos, como a HSBC Arena, de qualidade internacional tanto de acomodação quanto de acústica, um espaço, aliás, que acomodaria perfeitamente toda a platéia que se espera para o Radiohead. O HSBC tem também muito espaço para estacionamento, coisa que a produção do Just A Fest já avisou que não vai ter na sexta feira no Rio de Janeiro.

Para completar a produção do show escalou mais duas bandas para abrir, Los Hermanos e Kraftwerk (este desfalcado de sua maior estrela), bandas essas que não têm absolutamente nada a ver com Radiohead, no intuito de garantir as vendas de ingressos e, mesmo assim, existem muitos ingressos à venda no Rio. O público vai ser uma mescla que pode inclusive se estranhar.

É lamentável que o show do Radiohead tenha de acontecer dessa forma no Rio: um arremedo para aumentar o lucro dos produtores sem a menor consideração com o público. Se for, e não há como não ser, igual à produção do show de Roger Waters no Rio o que se pode esperar é muita sujeira na pista com quiosques de comida colados nos banheiros químicos, nenhum lugar viável para ver o show e muito aborrecimento na chegada e na saída, algo como aquele filme de terror trash dos anos 80: "Pague para entrar e reze para sair".

Veja também artigo sobre o show de Roger Waters no Rio – Apoteose da Desgraça

Bitsmag