Oriente-se, rapaz! Uma noite no Mandarin Oriental Hyde Park

Bitsmag

Vista da janela de um dos quartos do Mandarin Oriental

Duda Leite conta sua experiência no hotel Mandarin Oriental Hyde Park e sua recente viagem a Londres

Não é à toa que a Rainha Elizabeth escolheu um dos luxuosos salões do Mandarin Oriental Hyde Park para fazer um jantar para os convidados VIPs um dia antes do casamento do Príncipe William com Kate Middleton.

O Mandarin tem toda a pompa real típica da vizinhança: o Palácio de Buckingham fica a menos de 2 quilômetros dali. O hotel fica onde antes existia um famoso Salão de Danças da família real. A jovem Elizabeth aprendeu seus primeiros passos de dança lá.

Apesar disso, ficar no Mandarin é um pouco como ficar hospedado na casa de um amigo bem de vida. Tem todo o conforto necessário (dois restaurantes maravilhosos – leia texto abaixo), um bar badalado e muito bem frequentado, e um spa maravilhoso para você relaxar e se sentir em casa. Luxos como uma garrafinha de água à noite e uma bandeja de frutas frescas o dia todo tornam a experiência mais “cozy”.

O hall é suntuoso mas sem exageros e é um perfeito mix entre as referências britânicas e orientais, marcas registradas desta rede de hotéis.

A decoração dos quartos segue o estilo “mix” britânico e oriental. Todos os quartos têm belas orquídeas que trazem um sopro de oriente.

O staff é super simpático e bem treinado. O conciérge pode ajudar você em tarefas como conseguir alguns dos tickets mais disputados da cidade até te dar as direções de como chegar de metrô ao descolado mercado de Spitalfields, no lado leste da cidade.

O duro de ficar hospedado no Mandarin é que não dá vontade de sair do hotel! Mas, como Londres é uma metrópole excitante demais e tudo esta acontecendo lá, é impossível não sair. A vantagem é que o Mandarin é super bem localizado. Se o seu negócio for shopping, você está a cinco minutos a pé da Harrods, um dos templos de compras mais tradicional da cidade. Ver as vitrines da Harrods já é um programa. Quando este repórter esteve na cidade, o tema das vitrines era os 50 anos de James Bond, e a reconstrução de certas cenas clássicas era incrível.

Se seu negócio for arte, você esta a dez minutos a pé da Serpentine Gallery, bem no meio do Hyde Park. E como gosto de saber de tudo, foi pra lá que eu fui. Minha sorte é que estava justamente acontecendo naquela semana a Frieze Art Fair, a versão britânica das feiras nacionais SP Arte e ArtRio. A Frieze é maior e mais poderosa do que as versões nacionais e os ingressos também são bem mais caros (23 libras). Várias galerias e artistas brasileiros eram destaque na feira, comprovando o bom momento do Brasil internacionalmente. Entre as galerias nacionais estavam A Gentil Carioca, Vermelho, Fortes Villaça e a Mendes Wood.

Na Serpentine vi a bela exposição do artista alemão Thomas Schütte. Bem na frente da galeria estava o pavilhão construído pela dupla de arquitetos Herzog & de Meuron junto com o artista chinês Ai Weiwei. (Este pavilhão só fica aberto durante o verão, e fechou em 14 de outubro).

E naquela noite haveria, por causa da Frieze, uma performance da artista e viúva de John Lennon, Yoko Ono que, não por acaso, eu havia visto saindo do Mandarin na noite anterior. Sim, Yoko é uma fã!

Restaurantes

O Mandarin Oriental de Londres tem dois restaurantes: um mais informal, o Bar Boulud, um autêntico bistrô francês no meio de Londres. A especialidade são as “charcuteries” ou seja, os frios tradicionais da França como tarrines, patês, presuntos e salames. Os hambúrgueres são deliciosos e a seleção de vinhos é excelente. O premiado chefe francês Daniel Boulud tem um famoso restaurante em Nova York, pelo qual ganhou 3 estrelas do guia Michelin. O ambiente do Bar Boulud é descontraído e é uma ótima opção para comer algo após um dia animado na capital inglesa. É bom fazer reservas com antecedência.

A outra opção, mais sofisticada e formal, é o Dinner by Helston Blumenthal. Com uma vista privilegiada do Hyde Park, o interior do restaurante foi inspirado na culinária dos séculos 15 e 16, objeto de estudo de Heston Blumenthal. É um ambiente sofisticado e chic, sem grandes afetações. Em 1995 Heston comprou e reformou um pub de 450 anos, o The Fat Duck. Em poucos anos, ele ganhou sua primeira estrela no guia Michelin. Em 2005 o restaurante foi eleito como o melhor do mundo pela importante revista Restaurant. O Dinner by Helston Blumenthal é seu primeiro restaurante em Londres. Reservas são altamente recomendáveis.

Feel Good, Look Good!

Outra vantagem de ficar hospedado no Mandarin Oriental Hyde Park é o The SPA at the Mandarin. Nada melhor para dar um tempo do agito de Londres, e ainda cuidar do corpinho, num ambiente elegante, discreto e muito tranquilo. O SPA at the Mandarin é um Oásis de relaxamento, no coração de Knightsbridge.

Existem várias opções de tratamento de beleza para homens e mulheres. O “Aroma Lift Facial”, por exemplo, é uma relaxante massagem facial (disponível tanto para homens como mulheres) de uma hora que re-hidrata sua pele e deixa seu rosto renovado e jovem. Após o tratamento você é convidado para descansar (ainda mais!) na sauna (que mistura água e calor, com pedras ametistas) e dar um mergulho na “Vitality Pool”, uma pequena piscina de água mineral aquecida. Apos uma manhã no SPA at the Mandarin, Londres ficará aos seus pés!

Enfim, se hospedar no Mandarin Oriental em Londres é o mais próximo que você pode chegar de uma experiência de luxo, sem exageros. É quase como se você fizesse parte da Família Real, nem que seja por um ou dois dias…

O duro é ter que voltar para a vida real, depois disso…

(Nota do Bitsmag: Para o próximo Natal o Mandarin Oriental Hyde Park em parceria com a Harrods oferece um pacote especial que inclui, além da hospedagem, brindes de cortesia dos perfumistas da Ormonde Jayne, ursinho de pelúcia e um passe familiar (até 5 pessoas) para ver o show Father Christmas na Harrods entre 8 e 24 de dezembro inclusive.)

 

 

Bitsmag