Em busca do paraíso perdido

Bitsmag

mimi_lemeaux.jpg

Tikimentary – Em Busca do Paraíso Perdido está na 34a Mostra Internacional de São Paulo 

Um estilo de vida que aglutina cada vez mais adeptos no mundo todo, a cultura tiki é esmiuçada a fundo em Tikimentary – Em Busca do Paraíso Perdido, de Duda Leite, primeiro documentário no mundo a mapear esse universo. A busca pelo paraíso, a fuga do mundo atual, a nostalgia de tempos mais românticos e a arqueologia urbana que garimpa tesouros que foram enterrados a menos de 50 anos. Tudo isso faz parte da vida dos Tikiphiles, pessoas que adotaram como estilo de vida a cultura tiki, inspirada no folclore da Polinésia.

Duda Leite percorre várias cidades dos Estados Unidos e conversa com os pioneiros da tendência, como Otto Von Stroheim, que criou com Sven Kirsten o zine Tiki News, em 1995, e hoje comanda o festival Tiki Oasis, de San Diego. Kiki Tiliki, organizadora do festival Hukilau de Miami, é outra entrevistada que denota os parâmetros dessa cultura e sua importância.

Em Tikimentary – Em Busca do Paraíso Perdido se pode conferir shows de bailarinas burlescas, como a top Mimi le Meaux, estrela também do filme Turnê, de Mathieu Amalric, que ganhou o prêmio de direção em Cannes este ano. Outro ponto alto do filme são as imagens de bailarinas aquáticas que se apresentam no mais tradicional bar tiki do mundo, o Mai Kai em Miami.

Uma reflexão sobre o colecionismo e a nostalgia e um mergulho em uma parte da história recente dos Estados Unidos, Tikimentary – Em Busca do Paraíso Perdido não só explica o que é esse movimento, que tem encontrado adeptos pelo mundo todo, e não só na America, como também entretém com shows de surf rock, apresentações de dança, um apanhado da moda tiki, imagens dos melhores bares e entrevistas com apaixonados por esse mundo, os tikiphiles.

Tikimentary – Em Busca do Paraíso Perdido é um projeto de paixão de Duda Leite que pode ser considerado o maior tikiphile brasileiro. Duda tem participado de festivais tiki em várias partes do mundo, é colecionador de mugs e tem sido convidado para falar sobre essa cultura em palestras e debates. O artista plástico Shag, outro tikiphile de carteirinha, fez a direção de arte do filme que tem ainda trilha sonora de Paulo Beto e edição de Dácio Pinheiro e Sandra Brogioni.

Muita cor, música exótica e lounge, alegria e sentimento de coletividade neste filme que está na programação da 34a Mostra Internacional de São Paulo.

Tikimentary – Em Busca do Paraíso Perdido

34a Mostra Internacional de São Paulo
Quarta, dia 27 – 22h10 – UNIBANCO ARTEPLEX – Sala 2
Quinta, dia 28 – 16h40 –  UNIBANCO ARTEPLEX – Sala 3
Sábado, dia 30 – 18h00 – Centro Cultural São Paulo

Bitsmag