GPS Film

Bitsmag

nine-lives.jpg

FILE Documenta tem na programação filme feito com ajuda de GPS

gps-film.jpg

FILE Documenta tem na programação filme feito com ajuda de GPS

De 27 de julho a 31 de agosto acontece em São Paulo a décima edição do festival FILE. Dentro da programação do evento, que aglutina expressões artísticas calcadas nas mais nova mídias, a programação FILE Documenta exibe vídeos e filmes com essa temática em foco. O curador da mostra, Eric Marke, agrupou uma série de filmes que mostram a evolução de novas mídias de áudio e vídeo.

Entre os destaques está Nine Lives, comédia desenvolvida com a tecnologia de GPS Film, com câmera móvel baseada em diferentes locações. O artista Scott Hessels e o departamento de engenharia da universidade Nanyang Technological University, de Singapura, realizaram este filme que resulta num cinema híbrido, diverso e cômico. Rip in Pieces America é outro destaque. O filme é uma colagem de vídeos caseiros postados por usuários diversos na web. 

Instrumentos que foram determinantes no desenvolvimento da música eletrônica, como o Thelharmonium e o teclado Moog, também são temas de filmes da mostra FILE Documenta. Além disso há um dia de programação em homenagem à França com exibição do documentário Air: Eating and Sleeping, de Mike Mills e Mongolia Expedisound, documento de uma expedição de franceses na Mongólia em busca de sons daquela terra. 

Confira abaixo a programação além das sinopses e alguns trailers dos filmes da mostra:

Dia 28
Terça
– CONECTION 1969 ( 01h36 ) 
– MAGIC MUSIC FROM TELHARMONIUM ( 30 min. )
– INVENTÁRIO DAS SOMBRAS ( 13 min. )
Dia 29
Quarta

 – MONGOLIA EXPEDISOUND ( 54 min. )
– AIR: EATING SLEEPING WAITING AND ( 60 min. )

(*) Dia em Comemoração França-Brasil

Dia 30
Quinta
– RIP IN PIECES AMERICA ( 60 min. )
– TECHNOMANIA ( 12 min. )
– THE TELEPHONE EULOGIES ( 20 min. )
Dia 31
Sexta
– NINE LIVES – GPS FILM ( 01h37 )
– MOOG ( 01h10 )

 

 

 

 

 

 

 

 

 


CONECTION 1969

Diretor: Cadu Datoro / Brasil
Noise Adventures, Noise Music, TV Noise = Anderson Noise (DJ / produtor). Num projeto pessoal e passional em parceria com o diretor Cadu Datoro ‘Conection 1969’ é o espelho mais fiel e verdadeiro da vida de Anderson Noise.

Na forma de documentário, com Anderson Noise carregando seu case de discos ou suas malas de viagem e assumindo as pickups pelo mundo, a narrativa é feita por amigos que acompanham a careira do DJ e que, de alguma forma, ajudaram a criar toda uma lenda ao seu redor. Cada um conta uma história, enfatizando seus pontos de vista que acabam por compor os traços característicos do DJ.

AIR: EATING SLEEPING WAITING AND PLAYING
Diretor: Mike Mills / EUA

A vida na estrada entre vilas, bairros, cidades, estados e países. Viajando com a turnê do álbum ‘Moon Safari’ dos EUA em outubro de 1998, o diretor Mike Mills registrou o cotidiano da banda Air, comandada por Jean-Benoît Dunckel e Nicolas Godin. Sem ficar preso a nenhum formato acadêmico / intelectual e seco tampouco, o documentário está cheio de clichês estilísticos franceses. A sinfonia de bolso no filme é, apesar de ser uma etapa distinta de outras turnês, um retorno à época inicial em que a banda Air excursionava livremente pela Europa.

MONGOLIA EXPEDISOUND
Diretor: Laurent Lemonnier / França / Mongólia

Uma verdadeira aventura humana e musical. Uma "road-trip" de 30 mil quilômetros em caminhões a partir da França na direção da Mongólia. Foram dois anos de preparação (mapeamento social / educacional / econômico e político da Mongólia, vistos, contatos com ONG´s, Consulados, Embaixadas, etc., detalhados minuciosamente) envolvendo uma equipe de 12 pessoas (entre DJs, produtores, artistas circenses e educadores) 3 caminhões cheio de equipamentos, indo pela rota entre seis países com um objetivo principal: chegar até ao orfanato ‘Ulaan Baatar’, na capital da Mongólia.

RIP IN PIECES AMERICA

Diretor: Dominic Gagnon / Canadá

Descrição feita por Dominic Gagnon: “Eu estava vendo um vídeo na Internet e percebi que certos clipes caseiros eram sem interesse por seu conteúdo. Como eles estavam sumindo dos sites de hospedagem gratuita, comecei a salvá-los e editá-los num formato capsular. Trabalhando numa zona sombria quanto a direitos autorais, eu, no entanto, cumpro a vontade do autor de contextualizar sua situação agrupando seus vídeos e, o mais importante, difundindo e preservando as mensagens deles.” É isso. Você não vai saber de nada.

MAGIC MUSIC FROM TELHARMONIUM
Diretor: Reynald Weidenaar / EUA

O documentário ‘Magic Music from Telharmonium’ de Reynald Weidenaar trás a história de Thaddeus Cahill com a patente nº. 580.035 onde fez transformar seu "Telharmonium" (ou Dynamophone) no primeiro instrumento musical eletrônico “significativo”. O primeiro modelo inteiramente terminado foi apresentado ao público em 1906 na cidade de Holyoke – EUA.

O Telharmonium era essencialmente uma coleção de 145 dínamos modificados e indutores montados em rede que produziam diferentes correntes alternadas de freqüências de áudio. O instrumento geralmente era tocado por dois músicos (a 4 mãos) onde reproduziam músicas "respeitáveis" do tempo, como peças de Bach, Chopin, Grieg e Rossinni.

TECHNOMANIA
Diretor: Simon Power / UK

“Através de uma série de curtas que eu produzi para o web site de tecnologia & música, sonicstate.com, nasceu a idéia de mostrar como os dois caminham juntos, dentro de um alcance cada vez mais barato e acessível” (Simon Power).

Em 2004, Simon Power começou a pesquisar pelo YouTube os temas que relacionavam tecnologia e música. Conforme sua pesquisa avançava, notava que os vídeos eram muito ásperos, técnicos, formais. “Eu vi então a oportunidade de compilar alguns vídeos de uma maneira mais divertida e despretensiosa”. Sem ter experiência com vídeo e película antes, começou produzindo o programa ‘Technomania’ no Sony Vegas, e assim nasceu ‘Mike Dupp’, um personagem virtual inventado por Simon para apresentar seu programa.

NINE LIVES
Diretor: Scott Hessels / Singapura

GPSFilm é uma nova obra de arte-mídia que inventa uma maneira inovadora de assistir um filme com base na localização do espectador. Usando um PDA dotado de GPS ou um telefone celular, um filme é revelado enquanto o espectador viaja.  Ao fundir a computação móvel com cinema, o público cria um novo tipo de experiência cinematográfica. O projeto usa tecnologias emergentes para trazer a história ao espaço real, usando bairros, arquitetura e paisagens como parte da experiência. O cenário de um filme também pode ser o ambiente para assistir ao filme… um encontro único de entretenimento.

Enquanto o espectador explora um parque, um bairro ou mesmo uma cidade ou um país, o GPSFilm "lê" continuamente sua localização e passa cenas que se relacionam a esses lugares. Enquanto viaja, cada espectador edita sua própria versão da história de acordo com sua posição geográfica. Semelhante a um jogo de computador, GPSFilm conta histórias explorando um ambiente… mas tirando-o da tela e colocando no mundo real.

THE TELEPHONE EULOGIES
Diretor: Joe Hiscott / Canadá

O filme ‘The Telephone Eulogies’ (Os Elogios no Telefone), são sequências combinadas dentro de um jogo infantil chamado “telefone sem-fio”. As diversas línguas faladas no filme moldam uma trama trans-cultural entre um público usuário de telefone público. Seguindo a narrativa “eulogic” (elegia) e como ela serpenteia as 12 línguas e 21 traduções mostradas, verte finalmente em camadas secundárias da mensagem original enquanto é transformada pelo engano, pelo equívoco, ou pelo nome impróprio.

MOOG
Diretor: Hans Fjellestad / EUA

Bob Moog (1934-2005) inventou e construiu instrumentos musicais eletrônicos durante mais de meio século. De suas oficinas no interior de Nova York e mais tarde na zona rural da Carolina do Norte, Moog moldou a cultura musical com alguns dos instrumentos mais inspiradores jamais criados.

Moog não apenas fez contribuições prodigiosas à música e à cultura modernas, como se tornou um personagem em uma crescente mitologia do "inventor pioneiro americano". Moog certamente fez o papel do "cientista louco", com seu cabelo branco esvoaçante, olhar intenso, maneiras excêntricas e uma cabeça cheia de histórias.

INVENTÁRIO DAS SOMBRAS

Diretor: Joesér Alvarez & Coletivo Madeirista / Brasil

O curta-documentário de Joesér Alvarez junto com o Coletivo Madeirista, é um registro das intervenções urbanas realizadas pelo Coletivo Madeirista nas calçadas da periferia na cidade de Porto Velho, Amazônia, cujo projeto, após ser replicado em outras cidades do país, abriu-se à participação internacional pela internet, recebendo colaborações de três continentes até o momento.

Mostrando uma reapropriação de mitos antigos com mitos modernos (por exemplo o “15 minutos de fama“ de Andy Warhol) o documentário mostra uma contextualização dessas referências durante o desenrolar da ação artística, invertendo os papéis de artista e expectador; questionando os conceitos de celebridade, imanência e arte pública

Bitsmag