Osklen – inverno 2007

Bitsmag

thumb_osklem

Osklen faz desfile engajado em favor do meio-ambiente

 

osklemA Osklen, marca carioca que desfila em São Paulo, é a grife que mais soube traduzir o tema desta SP Fashion Week para a passarela. O tema de ativismo ambiental e incentivo ao desenvolvimento sustentável casou direitinho com a filosofia do criador da Osklen, Oscar Mestavaht, criador do movimento e-brigade. Em 2000, ele uniu pessoas que acreditam em um estilo de vida urbano, integrado à natureza e que decidiram tomar atitudes concretas para lutar contra a degradação do meio ambiente, valorizando este lifestyle integrado à natureza. Nascia assim o Instituto e. Um e-brigader se orienta pela Carta da Terra, pratica Agenda 21, defende o Protocolo de Kyoto e respeita a Convenção da Biodiversidade.

Essa postura tem base nos 4 Rs: repensar, reduzir, reutilizar e reciclar, quatro passos para preservar os recursos naturais que utilizamos. A função do movimento é informar, sensibilizar e promover ações que disseminem uma cultura orientada para a responsabilidade individual e para o desenvolvimento sustentável do planeta, transformando conceitos em atitudes. Mais de 100 mil peças já foram vendidas com o conceito e-brigade, revertendo-se em pesquisas e projetos.

Alguns projetos coordenados pelo Instituto e Extração responsável de látex – Desenvolvido pela Universidade de Brasília com apoio do Ibama, o projeto permite que os seringueiros trabalhem com as suas famílias e extraiam o látex das árvores de modo que elas não sejam prejudicadas. Algodão orgânico – O cultivo de algodão orgânico incorpora bases biológicas e evita a destruição do meio ambiente provocada por pesticidas e agentes químicos.

Seda orgânica – A produção manual de fios de seda não utiliza agrotóxicos e ainda aproveita casulos de seda descartados pela indústria.

Couro de tilápia – Os principais resíduos gerados no acabamento dos couros tradicionais poluem solos e rios, emitem gases nocivos à atmosfera e podem causar doenças graves aos trabalhadores. Ao invés de ser descartado, o couro do peixe oferece ao mercado de moda um material de qualidade e estética diferenciada.

Lã orgânica – Na produção, o número de ovelhas é limitado por área, sua alimentação é essencialmente orgânica, não há química nos pastos e o tingimento é feito com corantes naturais para não contaminar o solo e os lençóis freáticos.

Poliéster reciclado – Uma garrafa PET leva 300 anos para se decompor. No Brasil, estima-se que seis bilhões delas são produzidas por ano. Entretanto, é possível transformá-las em fibras de poliéster que podem ser utilizadas pela indústria têxtil. A economia de energia na produção reciclada é de 76% e a redução de emissões de CO2 é de 71%.

Bitsmag