DebtFair é feira de arte descentralizada

Bitsmag

 

debtfair

Lucros do evento que acontece em N.York em setembro vão amortizar dívidas de artistas

Em setembro um novo tipo de feira de arte toma conta de N.York. É a DebtFair, uma feira descentralizada que vai ocupar diversos espaços públicos e privados da cidade com venda de obras de artistas endividados.

Colecionadores de arte que estiverem interessados nas obras desses artistas não pagarão diretamente a eles o valor de suas obras. Esses valores serão revertidos em amortização da dívida dos artistas participantes. O endividamento deles ocorre principalmente devido a empréstimos para financiar seus estudos em faculdades.

Os artistas participantes também estão engajados no sentido de esclarecer à toda classe artística e às pessoas em geral a realidade econômica desses indivíduos. Enquanto Jeff Koons ou Damien Hirst ganham milhões com suas obras e seus licenciamentos, a maioria vive no limiar da pobreza. O endividamento combinado dos artistas participantes da DebtFair está em torno de 1 milhão de dólares.

A feira tem como proposta incentivar a solidariedade ao invés da competição entre os artistas, além de uma atitude de transparência sobre sua realidade econômica. O projeto pretende ainda engajar colecionadores na cadeia produtiva da arte combatendo a especulação.

A DebtFair é organizada por um grupo de artistas e por membros do Occupy Museums, movimento pela democratização da arte inspirado no Occupy Wall Street que tem como apoiadores gente como Lou Reed, Laurie Anderson e Philip Glass. Liderado por Noah Fischer, que só podia ser de São Francisco, o grupo já fez manifestações em grandes conglomerados culturais americanos como o Lincoln Center e o MoMA, insituição de arte novaiorquina que, segundo Fischer, é uma das mais elitizadas instituições norte-americanas. Membros da direção do museu estão no comitê da casa de leilões Sotheby’s.

O líder do Occupy Museums afirma que o sistema de endividamento capitalista lucra mais quando as pessoas ignoram seus empréstimos, pagam em muitas prestações ou atrasado. É necessário entender que toda atividade econômica, a cultura incluída, é basicamente coletiva e precisa ser horizontalizada, portanto a arte não pode mais ser luxo para poucos.

Debt Fair from Occupy Museums on Vimeo.

 

 

 

Bitsmag