Flashmob em memória do jornalista Vladimir Herzog


Convite_Vladimir_Herzog_bitsmag

Corais e concerto na Praça da Sé celebram os 40 anos da morte do jornalista

Por ocasião do aniversário de 40 anos da morte do jornalista Vladimir Herzog o Insituto que leva seu nome está realizando uma série de eventos em sua memória. Este domingo, às 14h30min, na Praça da Sé, região central da capital paulistana, acontece um flashmob com a presença de 30 corais e 800 cantores, com a regência do maestro Martinho Lutero. Logo após os artistas convidarão o público para participar de um ato inter-religioso e do concerto Missa Criolla com diversas músicas de resistência, na Catedral de São Paulo, recriando o cenário do ato ecumênico que reuniu 8 mil pessoas, em 1975.

O jornalista Vladimir Herzog foi assassinado em 25 de outubro de 1975 nas dependências do DOI-CODI em São Paulo. A sigla denomina Departamento de Operações de Informações e Centro de Operações de Defesa Interna, órgão do exército que cuidou da repressão durante a ditadura militar. Durante um tempo a morte do jornalista foi tratada como suicídio pelas autoridades, mas em 1979 a viúva, Clarice Herzog, conseguiu que a justiça brasileira condenasse a União pelo assassinato de Vlado.

Em 1975 Vladimir Herzog era diretor de jornalismo da TV Cultura e editor do telejornal Hora da Notícia. No dia anterior à sua morte o jornalista foi procurado na TV por dois agentes que foram buscá-lo para prestar depoimento sobre suas ligações com o Partido Comunista Brasileiro, então funcionando na clandestinidade desde 1964. Vlado, como era chamado Herzog, se comprometeu a se apresentar voluntariamente no dia seguinte e assim o fez, e nesse mesmo dia ele foi morto, vítima de espancamento, choques elétricos e sufocamento com amoníaco.
 Seu assassinato, negado veemente pelo DOI-CODI, foi o estopim da resistência à ditadura e um dos acontecimentos mais importantes para o fim do regime militar no Brasil.

Quem quiser saber mais sobre Vladimir Herzog pode conferir o documentário Vlado – 30 Anos Depois, de João Batista de Andrade, a ser exibido no Cine Belas Artes na segunda, 26 de outubro, às 20h50min, em sessão aberta ao público e seguida de debate com o diretor. No dia 24, sábado, a partir das 21h30min, a TV Cultura exibe o concerto regido por João Carlos Martins em memória de Vladimir Herzog, com participação especial de Fernanda Montenegro. Gravado dia 15 de agosto na sala São Paulo o concerto é mais uma iniciativa do Instituto Vladimir Herzog.

Dia 26 de outubro é reinaugurada em São Paulo a Praça Vladimir Herzog, criada em 2013 pela Câmara Municipal de São Paulo e no mesmo dia a Comissão da Verdade Vladimir Herzog da Câmara Municipal de São Paulo apresenta seu relatório final. A Comissão foi instaurada em 2012 e os relatórios revelam que São Paulo abrigou os maiores centros de repressão do país durante a ditadura, sendo que uma grande parte dos empresários paulistas financiou as operações do DOI-CODI.

O Instituto Vladimir Herzog, criado em 2009, também está lançando dois livros esta semana. “Pássaro sem Rumo – Uma Amazônia Chamada Genésio”, que aborda os bastidores do assassinato de Chico Mendes e “Um Menino Chamado Vlado”, sobre a história de vida do jornalista, escrito para o público infanto-juvenil.

https://youtu.be/DvCOYvElfHY

Flashmob em memória do jornalista Vladimir Herzog

Deixe um comentário:

comments

Powered by Facebook Comments