Coluna Bafo: VJ Spetto

Bitsmag

Coluna Bafo: VJ Speto

(Entrevista publicada em 27/11/2004) 

vj-spetto.jpg

A coluna Bafo SP desta semana entrevista o Vj Spetto. Um dos mais requisitados no país, Spetto fala um pouco da profissão de VJ e de sua turnê pela Europa.

Bafo SP: Como tudo começou?

VJ Spetto: No ano de 99 pedi demissão do mundo corporativo – IBM, Oracle, Borland, Microsoft – e montei o site http://www.visualradio.com.br
Depois em 2000, fui fazer as Vertical Nights, do Pet Duo Ana e David, e de lá pra cá a coisa foi evoluindo.

Bafo SP: Qual a sua formação?

VJ Spetto: Designer e programador autodidata. Tudo o que vejo acaba sendo fonte de inspiração e aprendizado.

Bafo SP: Defina a profissão de VJ.

VJ Spetto: VJ significa Visual Jockey, ou seja, numa linguagem mais polida seria o "designer de ambiências", aquele que desenha as sensações audiovisuais de um ambiente, seja um show, uma rave party, um club. O VJ trabalha com o que chamo de Gramática Visual, a destruição da linearidade em prol da reconstrução iconográfica. O VJ pode influir no visual, na luz, som, e cheiros de uma ambiência.

Bafo SP: Você cria seus próprios programas para desenvolver as imagens ? Como é o processo criativo?

VJ Spetto: Sim. Crio minhas técnicas e ferramentas, utilizando linguagens de programação, utilitários multimídias, equipamentos velhos misturados a outros hi-tech. É como se fosse uma receita de bolo, vc vai misturando, batendo, assando, enfeitando até ficar uma obra-prima.

Bafo SP: E como e feita esta seleção para que elas entrem em sincronia com o clima da festa e o som que esta rolando?

VJ Spetto: Em primeiro lugar, acredito que exista uma coisa que chamo de clima da festa – alguns chamam de vibe, energia – e o VJ tem que captar isto e traduzir em imagens, mensagens, icones. O VJ também pode provocar o público, colocando imagens que brinquem com termos e assuntos correntes naquela arena. No geral, vale ter sensibilidade para construir um dialogo entre o publico, a musica, a arena onde acontece a festa.

Bafo SP: Como você monta seus sets ?

VJ Spetto: Como disse antes, de coisas que vejo todos os dias. Meu olhar é como uma camera que não descansa. Filma tudo, deglute e transforma em novas imagens. Coisas que vejo na televisão, internet, coisas que me contam, que eu filmo, tudo isso vira ingrediente para um Set de imagens.

Bafo SP: Onde é melhor se apresentar, clubes ou festas grandes ?

VJ Spetto: Se apresentar para grandes públicos é emocionante, ainda mais quando se consegue resposta de público com as imagens que se está projetando. Mas é aquela coisa, o que vale é uma festa onde o público realmente goste da música/DJ que está tocando, daí a coisa toda fica apaixonada/apaixonante. É como um casinho que você acabou de conhecer e está doido para saborear. Tudo à flor da pele. E isso às vezes acontece com 50 pessoas, que decidem se divertir a valer.

Bafo SP: Quais seus trabalhos de maior repercurssão ?

VJ Spetto: Tim Festival 2004, Sonar Brasil 2004, Skolbeats 2003/2004, Eletronika 2003/2004, Skol Rio 2004, MTV Dance o Clipe, São Paulo Fashion Week 2004, FILE 2003, videocenários para Pato Fú, Jorge Benjor, Elza Soares, Gilberto Gil – este sim deu bastante repercussão devido ao incidente do Morra Bush Morra. Agora estou indo para uma turnê Manchester – Londres – Amsterdam, acredito que isso dará um "improve" na minha carreira, principalmente por eu puder estar em contato direto com outros VJs, com uma outra cultura.

Bafo SP: O que é necessário para se tornar um VJ?

VJ Spetto: Ser guerreiro e amar o que está fazendo. Não me venha ser VJ Poser!! Conhecer técnicas, equipamentos, softwares. Na prática é assim, basta um computador, meia duzia de programas fáceis de se mexer e claro, bom gosto e sensibilidade.

VJ Spetto: Para quem quer começar indico alguns sites:
http://www.vjing.com.br
http://www.vjcentral.com
http://www.audiovisualizers.com
e o meu site, onde vc pode encontrar o programa que eu uso para VJing, o VRStudio. O programa é gratuito e de facil instalação.
http://www.visualradio.com.br

Bafo SP: A propósito: tem muita gente aparecendo como VJ, já existe alguma agência especializada ?

VJ Spetto: Existem propostas de várias pessoas, mas ainda não existe uma agência mesmo. Ninguém que respeite o ideal e que ofereça condições dignas para o trabalho do VJing, mas acredito que as coisas estão mudando, começando a caminhar. Como eu disse existem pessoas com boas propostas, que demonstram seriedade e que estão afim de abraçar a idéia.

Bafo SP: Você tem se apresentado na maioria dos grandes festivais do país. Como você vê a cena neste momento?

VJ Spetto: Acho que a cena em geral – e isso falo de VJs e DJs – está num momento de redefinição, afinal a musica eletrônica está tornando-se cada vez mais popular, e muito mais pessoas estão tendo o contato com ela. Vale estar disposto a mostrar coisas boas para essas pessoas, assim como educar os organizadores de festivais para que enxerguem os artistas da cena eletrônica como artistas e não como uma forma de aumentar o faturamento / retorno de seus patrocinadores.

Pro VJ em geral tem aquela coisa, muita gente confunde a gente com o DJ – mas isso é natural, com o tempo as pessoas entendem o que o nosso trabalho.
Temos gente séria trabalhando na cena, oportunidades estão aparecendo, mas não é por isso que devemos transformar isso tudo num grande feirão. Novamente eu digo, a cena existe e é boa porque existe gente apaixonada organizando e freqüentando, gente que tem prazer em escutar uma boa música. Enquanto houver esse clima, o futuro é promissor.

Bafo SP: Acompanhando quais DJs você mais gostou de trabalhar ?

VJ Spetto: Jerome Hills, Michael Forshaw, Christian Varella. Gosto de trabalhar também com os brazucas Ana e David, Maylinch, Enrico, Mau Mau, Renato Lopes, Pareto …

Bafo SP: Você tem um estilo musical preferido para as suas imagens?

VJ Spetto: Qualquer coisa acima de 140 bpms me deixa feliz. Pode ser reto ou quebrado, o que importa é se é rápido.

Bafo SP: Você esta saindo em turne pela Europa , onde ira se apresentar ?

VJ Spetto: Meu objetivo principal é o Showskills Festival em Manchester, terra do Ian Curtis / New Order / Chemical Brothers / Charlatans / Happy Mondays. Lá irei representar o coletivo TEMP, estarei indo levar a mensagem das Zonas Autonomas Temporarias, espaços de manifestações festivas. Depois vou pra gigs em Londres e Amsterdam. Pretendo ir também a Madrid, onde me encontrarei com DJ Patchinko, que tem residência semanal por lá e que tocou no Sonar España este ano.

Bafo SP: Como te contratar ?

VJ Spetto: Por email spetto@visualradio.com.br, ou por celular 0 ** 11 9419 2057.

Bitsmag