Coluna Bafo: Claudia Assef

Bitsmag

Coluna Bafo: Cláudia Assef

(Entrevista realizada em 26/10/2004) 

claudia_assef.jpg

A entrevistada desta semana é a jornalista/DJ/promoter Claudia Assef. Autora do livro Todo DJ Já Sambou, ela promove as noites Discology no Lov.e, além da festa festa Minimal. Ela é também uma das cabeças à frente da SuperContents, responsável pelo projeto No Hay Banda!, que traz ao Brasil em dezembro o finlandes Luomo.

Bafo SP: Como começou o seu envolvimento com a noite ?

Claudia Assef: Acho que é tudo "culpa" dos meus pais, que eram muito festeiros, freqüentavam todas as discotecas legais do final dos 70. Eles chegavam em casa sempre na madrugada, com o som do carro rolando muita disco… eu acabava acordando, acho que foi aí que virei notívaga… Depois, anos mais tarde, comecei a sair com a minha irmã mais velha. O primeiro clube "oficial" (não matinê) que conheci foi o Rose Bom Bom. Depois, o Nation, que eu amava por causa da performance do Mauro Borges. Daí em diante, não parei mais de sair…

Bafo SP: Além de jornalista, você atua como promoter e DJ. Fale de suas noites.

Claudia Assef: Faço a Discology com o Camilo Rocha, no Lov.e. Amo fazer, justamente porque posso, nesta noite, resgatar sons do baú, música que a gente considera precursora da música eletrônica de pista. Tocamos disco, funk, pré-house, electro, enfim, tudo o que ajudou a formar uma legião de dançarinos e, especialmente, coisas que são referência (e são sampleadas) na música eletrônica que conhecemos hoje. Recentemente estreou a Mínima, festa de techno minimal e microhouse, comigo e a Eli Iwasa como residentes. Por enquanto, esta cena ainda é suuuuper pequena, mas apostamos que já há muitos seguidores no Brasil. A Mínima ainda está num momento de ajustes quanto à endereço, peridiocidade etc., mas já já teremos novidades. Por último, criei com meus sócios a No Hay Banda!, uma festa que pretende trazer ao Brasil nomes emergentes do circuito internacional. Em dezembro, vamos trazer o incrível Luomo.

Bafo SP: Como foi escrever o livro Todo DJ Já Sambou?

Claudia Assef: Um trabalho árduo, que me rendeu ótimos frutos. Não vejo a hora de sossegar um pouco pra poder começar a trabalhar num próximo livro.

Bafo SP: Como nasceu a SuperContents?

Claudia Assef: No final do ano passado, o Coy Freitas me chamou pra conversar. Tinha uma idéia e queria se unir a gente legal pra botá-la em prática. Assim, me buscou pra cuidar da área de jornalismo. Daí, convidamos o Marcos Boffa, um cara hipercompetente, que atua com música de vanguarda há um tempão, pra cuidar da área musical. E, completando o time, veio o Dino Vettorello, um gênio das áreas de internet e design. A parceria é super recente, mas já estamos colhendo resultados bem interessantes.

Bafo SP: E este projeto No Hay Banda!, quais os objetivos?

Claudia Assef: Trazer artistas bacanas, de pequeno e médio porte, ao Brasil. A idéia é plantar algumas sementes legais por aqui, sem visar apenas grana no caixa. Os artistas que estão na nossa mira não têm esse apelo comercial todo, mas consideramos que o país hoje consegue absorver cultura de vanguarda e não apenas DJs bombadores ou supermeganomes.

Bafo SP: Fale um pouco a respeito do trabalho do DJ e Produtor Chileno Lucien `n´ Luciano.

Claudia Assef: Ele é um dos produtores mais incríveis desta novíssima geração de techno. Seu disco Blind Behavior é um dos mais inovadores, porque ele coloca muito da cultura sul-americana no som, sem nunca soar apelativo ou folclórico. Há muitos vocais suaves, ao mesmo tempo em que a música é muito forte e pulsante. O mais impressionante é que o Luciano é super jovem (tem 25 ou 26 anos) e já é um dos principais nomes do techno minimal na Europa. Ele saiu do Chile há uns quatro anos e se instalou primeiro na Suíça e, mais recentemente, em Berlim. Muitos o comparam imediatamente ao Ricardo Villalobos, mas acho seu estilo bem único.

Bafo SP: Na próxima edição vocês pretendem trazer o finlandês Luomo, pode nos adiantar alguma informação?

Claudia Assef: O Luomo virá para umas três datas (S.Paulo, Rio de Janeiro e B.Horizonte, provavelmente) no início de dezembro, pra segunda edição da No Hay Banda!

Bafo SP: Como jornalista, você tem acesso à maioria dos eventos de música eletrônica no pais, como você vê a cena eletrônica atualmente ?

Claudia Assef: Acho que estamos num momento importante, em que projetos de menor porte se fazem fundamentais. Já vimos que grandes festivais e festas conseguem sobreviver e se proliferar no Brasil. Então, agora é hora de ver como se saem as festas e circuitos realmente underground. Há muita gente talentosa no país, mas ainda há também uma avalanche de picaretas. Agora é hora de separar o joio do trigo.

Bafo SP: DJs Favoritos ?

Claudia Assef: Mau Mau e Ellen Allien

Bafo SP: O que você recomenda atualmente na noite paulistana?

Claudia Assef: As quartas do Lov.e: funk carioca conduzido por Marlboro no ambiente de clubinho. É muito legal.

Bafo SP: Quando está no Rio de Janeiro gosta de fazer o que?

Claudia Assef: Adoro ir à caça de CDs de funk. À noite, Dama de Ferro e gosto daquele ambiente ao ar livre do 00. Mas o imbatível mesmo é o sushi do Sushi Leblon.

Bafo SP: Como entrar em contato ?

Claudia Assef: clauassef@uol.com.br

Bafo SP: Chart?

Claudia Assef: Lah vai…

Alain Brito – Luciano

La Musica – Hombre Ojo

Maybe This Ain’t Right – Jabberjaw

Alabaster – Pantytec

Funk Me Please – Automat

Fall Down Rise-Up – Blackstrobe

Bang Bang – Ellen Allien

Migration – Luciano

Mistakes – Herbert

Good Girl – Matthew Dear

Afrika – Osbourne

Bitsmag