Bitsmag conversou com Philippe Solal do Gotan Project

Bitsmag

thumb_252_01p

Bitsmag conversou com Philippe Solal do Gotan Project

252_01p

Philippe Cohen Solal, DJ e produtor do grupo Gotan Project, conversou por telefone com o Bitsmag em agosto contando sobre suas expectativas sobre o show que fará com seu grupo no dia 31 de outubro no Tim Festival, no Rio de Janeiro. Philippe já esteve no Brasil apresentando-se como DJ em 2002. Ele tocou em São Paulo no clube Xingú e no Rio de Janeiro na festa Boogaloo, na Lapa. Como DJ Philippe conta que seu estilo é eclético, pois ele não gosta de sets hegemônicos de house ou techno. Então seu set de DJ é uma mistura de ritmos que engloba o hip-hop e o rock, incluindo house e techno.

Já o Gotan Project, o grupo formado por Philippe, pelo músico Eduardo Makaroff, argentino radicado em Paris e pelo músico e programador suiço Christoph Müller, é creditado como resgatador do tango argentino. Um dia Philippe e Eduardo conversaram sobre a possibilidade de uma experiência fundindo a música eletrônica com o tango, o ritmo forte da Argentina. E assim surgiu o Gotan Project, com o intuito de valorizar a música folclórica argentina como um todo e não somente o tango. Logo depois juntou-se ao grupo o suiço Christoph.

Antes do Gotan Project Philippe já flertava com os ritmos latinos e chegou a ter um grupo chamado Boys from Brazil, em 1995. Ele trabalhava com uma série de músicos brasileiros que viviam em Paris. Na época a mistura dos sons brasileiros com batidas eletrônicas era uma novidade.

Revancha del Tango
vendeu mais de 650 mil cópias no mundo todo

Mas o sucesso veio mesmo em 2001, com o lançamento do álbum Revancha del Tango, que vem com as produções originais do grupo, envolvendo música folclórica argentina de todo tipo e não somente tango, além de remixes de DJs de peso como Peter Kruder, Tom Middleton e High Priest do Anti Pop Consortium.

Desde o lançamento Revancha del Tango vendeu cerca de 650 mil cópias no mundo todo e é disco de ouro em Portugal, na Itália e na Suiça. Na França o álbum foi o lançamento independente mais vendido em 2002, com 250 mil cópias e status de duplo disco de ouro. Não é pouca coisa num mercado saturado de novas produções.

Turnê mundial passa pela primeira vez pela América Latina

E agora os rapazes estão ganhando o mundo mesmo, com uma turnê que tem percorrido vários continentes. Por exemplo: na semana passada, dia 22 de agosto, o Gotan Project se apresentou na Polônia e no domingo, dia 24, estiveram em Bruxelas. Em setembro tocam em Helsinque, na Argélia, em Moscou e na Alemanha. Em outubro a turnê percorre Canadá e Estados Unidos. E no dia 1º de novembro teremos o Gotam Project como uma das atrações do Tim Festival, no Rio de Janeiro.

A fusão do tango com a música eletrônica tem muitos fãs na Argentina, mas o Gotan Project ainda não se apresentou por lá. Na verdade sua primeira apresentação na Argentina vem logo depois da apresentação no Brasil. Philippe conta que o Gotam tem uma ótima resposta do público argentino, apesar de Revancha del Tango ainda não ter sido lançado por lá. Os DJs argentinos têm tocado suas produções em vinyl há mais de dois anos. O show do Gotam em Buenos Aires vai ter apoio de uma rádio e TV argentina especializada em tango. Claro que se pode esperar alguma reação dos fundamentalistas do tango, alguns deles discriminavam até mesmo o jazzístico Astor Piazzolla. Mas Philippe acredita no respaldo do público argentino, cuja música tem raízes na música africana, como a música brasileira. Depois de Brasil e Argentina o Gotam Project apresenta-se no Chile, em novembro.

Show no Brasil vem com produção completa e muitos visuais

Philippe promete produção completa no show que vem ao Brasil. São sete músicos no palco, envolvendo instrumentos como bandoneon, guitarrra acústica, violoncelo e violino, além de todo aparato eletrônico. O arremate fica por conta da instalação em vídeo de Prisca Lobjoy, artista responsável pela capa de Revancha del Tango e por todo o visual dos shows. Philippe explica que a concepção do visual do show tenta evitar os clichês do techno e também do tango, uma música que evoca a emoção e a poesia. Na primeira parte do show os músicos são vistos através de uma tela e na segunda parte essa tela desaparece dando lugar aos músicos em primeiro plano e mais projeções ao fundo. A proposta do conceito visual do show é a mesma da música do Gotan Project: extrair a essência da música argentina e fundi-la com algo atual, contemporâneo.

Entre as próximas produções está a trilha sonora do novo filme de Richard Gere

Philippe conta que o próximo trabalho em estúdio será terminado depois do final da turnê mundial do grupo, este ano. Dependendo da duração do show no Rio eles pretendem tocar também algumas faixas do próximo trabalho, que sai em 2004. No momento eles estão produzindo um remix para Go On Your Way , música do Fleetwood Mac, para uma coletânea de músicas dos anos 70. Philippe está achando isso engraçado, pois na época do sucesso mundial do Fleetwood Mac, nos anos 70 e 80, ele era um punk e odiava o grupo… O Gotan Project trabalha também na trilha sonora do novo filme de Richard Gere, Shall We Dance, que tem também Jeniffer Lopez e Susan Sarandon no elenco. Nada mal! Agora é esperar pelo show do Gotan Project no palco Tim Lab do Tim Festival, dia 31 de outubro.